domingo, 21 de setembro de 2014

RIA DE AVEIRO

Foto do Blogger

Derreada ria
poema latente
discreta melodia
esforçado júbilo
espelho meu
oscilante desejo 
plúmbeo lençol agreste 
refulgente sonho argentino
no abandono das marés

No âmago do teu seio
aprisionas o tempo
aceso na memória 
de um outro tempo

Liberta-te das horas 
que já não contam 
aflora a emergência de sempre 
ancorada no anseio primordial
indelével memória inexorável 
irrepetível una irreprimível
discreta melodia 
poema latente
derreada ria
espelho meu...

Sem comentários:

Enviar um comentário