quarta-feira, 31 de julho de 2013

A SEDUTORA OUSADIA DA LEITURA


      
Os mais recentes executivos (última meia dúzia de anos) tem deixado transparecer a ideia de que se encontram empenhados na implementação de políticas que incrementem a sensibilização actuante das pessoas, no sentido do desenvolvimento de práticas efectivas de leitura, a começar pelos mais novos, ao nível dos primeiros anos de escolaridade. É de louvar.

       Um dos programas que se encontra em marcha (lenta) é o designado Plano Nacional de Leitura que, como não podia deixar de ser, na linha da musculada politização do sistema educativo, tem sido orientado de acordo com um feroz e inapelável centralismo burocrático, que a ninguém tem permitido um mínimo de discernimento intelectual, na busca de caminhos e soluções que possam visar objectivos claros e atinentes.

    Embora as coisas tenham enveredado pelo caminho da redutibilidade, que deixa qualquer ser pensante magoado e perplexo, ainda para mais porque dois anos após a sua génese não nos tinha chegado ainda às mãos nenhum dos livros requisitados, teimámos em usar o cérebro, para discernir um pouco sobre a temática vigente, tendo em conta também os repetidos estudos que têm sido feitos sobre Portugal, no campo da (i)literacia, do analfabetismo, do tipo de livros vendidos, do abandono e do insucesso escolares, entre outros. A este respeito, ficamos sempre escalonados nos piores lugares, comparativamente com outros países, onde assuntos desta importância têm sido sempre devidamente acautelados.

     Evidentemente que nada disto acontece por acaso e, ou se começa a remar no sentido das marés, aproveitando o capital intelectual e humano, principalmente dos docentes deste país, já que cada vez mais vão engrossando os sectores populacionais de gente em ruptura iminente, ou então não será nunca possível fazer face à lastimável e, de certo modo, condicionada negligência da generalidade dos portugueses para tudo o que implique algum esforço físico e/ou intelectual.

   É vergonhoso que tal estado de coisas prevaleça. Não podemos manter indefinidamente tais níveis de atraso estrutural, civilizacional e até, aparentemente, mental, em relação aos demais países europeus. É assim que eles nos olham.

     Esta breve introdução surge na sequência de tudo quanto no nosso país se tem verificado relativamente à matéria hoje em apreço. No trabalho que ora preparámos para os presentes, tentaremos realçar a necessidade imperiosa de se encarar a leitura como algo manifestamente importante, fulcral mesmo. Ler deverá passar a fazer parte dos hábitos diários de todos nós. Quem lê, para além de demonstrar curiosidade intelectual, abre a mente a novas ideias e conceitos, satisfazendo de forma saudável e marcadamente abrangente o seu desejo natural de saber mais, na longa e estruturante caminhada que redimensiona e enriquece a sua inteligência.

      É claro que tudo deve ser cultivado na pessoa desde o berço e, ler, como é óbvio, não foge à regra. Aos bebés devem ser facultados, desde a mais tenra idade, livros adequados à fase etária em que os mesmos se encontram: livros coloridos, com texturas úteis ao tacto das crianças, naturalmente inócuos, para que elas os possam manusear, observar, cheirar, abocanhar. É este o princípio, por muito que possamos ficar surpreendidos.

    Aos pais, às amas, aos educadores e aos professores deve ser exigida a tarefa gratificante de dedicarem às crianças toda a atenção possível, sem esquecer a importância da leitura, no âmbito da educação dessas mesmas crianças. Fundamental mesmo é perceber, por parte dos pais, encarregados de educação, educadores, professores e população em geral, o interesse em serem criados contextos, enquadramentos vivenciais domiciliários e escolares, nos quais as crianças possam usufruir da sã aprendizagem da vida com sentido. É este o cerne da questão: as gerações de hoje precisam, já hoje, de preparar o futuro, sentindo que a vida vale a pena ser vivida, pelo que compete aos adultos responsáveis, a inculcação de valores imbuídos de forte significado estruturante, edificante, de elevação e eleição.

      A resposta a esta questão de fundo encontra-se na leitura e nos seus efeitos, ao qual se alia o extraordinário prazer que dela retiramos, grandes e pequenos. Uns e outros, só através da leitura conseguirão dar asas à imaginação, sem espartilhos nem grilhetas, diferentemente, de pessoa para pessoa. Numa sala de cinema ou junto de um aparelho de televisão, pelo contrário, as pessoas vêem e seguem apenas as imagens que lhes são dadas observar e nada mais, de forma directa e monolítica. E este é só um exemplo.

      De pequenino se torce o pepino, isto é, os hábitos mais saudáveis, como é o caso da leitura; por isso mesmo devem ser cultivados desde a mais tenra idade, em toda e qualquer pessoa.

     E porque de crianças se trata, no caso particular da leitura, torna-se imprescindível adiantar desde já a excelência nunca ultrapassada dos contos tradicionais, das histórias infantis, importando, sobretudo, tanto quanto o “statu quo” institucional nos permite, fazer um esforço tendente a atenuar a ainda deveras perceptível bipolarização posicional, ao nível das salas (mal) adaptadas a jardins de infância que, portanto, coloca as crianças e os educadores, em posição antagónica, ainda que de forma perfeitamente alheia às vontades, quer de uns, quer de outros.

     Esta observação colhe, pensamos nós, na medida em que não é possível urdir, em contexto de sala de aula, a melhor e mais proveitosa teia da motivação infantil, de forma atabalhoada ou de improviso, visando retirar efeitos cabais do maravilhoso, quando pretendemos alimentar uma espécie de manutenção interactiva do mesmo face ao imaginário infantil. Tiremos partido então, na medida do possível, da sempre actual receptividade das crianças aos contos de fadas.

    Tanto os contos de fadas como os contos tradicionais, veiculados pelo educador, em ambiente propício, preferencialmente contados (não lidos), com os gestos, a entoação e a mímica adequados, contribuem para acicatar a imaginação, alterar as mentalidades, promover a criatividade e, acima de tudo, transportam as crianças para esse mundo maravilhoso, para lá da mais elementar lógica racionalista, que condiciona e traumatiza os seres infantis, a braços com o doloroso processo de maturação.

     As crianças têm necessidade absoluta de viajar constantemente pelo mundo fantástico das bruxas, das fadas, dos príncipes encantados, dos duendes, dos gigantes, no sentido de melhor estruturarem o caos interior das terríveis emoções contraditórias que lhes perturbam o espírito. Mais ainda: a quantas das nossas crianças foi já frustrada a oportunidade ímpar de acreditar no Menino Jesus ou no Pai Natal? Deixem que o formidável brilho das estrelas do seu imaginário continue a incidir sobre elas, através da inocência do Capuchinho Vermelho, da fantástica paixão da Bela pelo Monstro (aqui se plasma a descoberta da sexualidade), da extraordinária lição de moral veiculada pelos Três Porquinhos (o bom senso e a ponderação, como opção de vida), etc.. Facultem-lhes a formidável envolvência da mágica abóbada de um convívio sem barreiras nem interdições, para que elas possam educar o gosto, apurar a sua sensibilidade, preencher o seu espírito de liberdade e aventura.

     Hoje, reduzida que ficou a família alargada de há décadas atrás, sem os avós (que até vivem mais anos, dizem – estarão todos em lares?!) para contar as fantásticas histórias da tradição popular, as lenga-lengas, as trava-línguas, as charadas e adivinhas, cabe aos educadores e professores esse desempenho insubstituível, na senda da inculcação de um conjunto de valores de eleição, como há pouco referimos, em nome do redimensionamento humano pessoal e social, contra as mais absurdas e deploráveis formas de alienação consumista.

   Por último, deixamos à reflexão dos presentes a questão colocada por Kant: quem somos? De onde vimos? Para onde vamos? O presente prepara o futuro ainda e sempre na inevitável inexorabilidade do devir, mas, se não retivermos a memória do passado, não poderemos nunca garantir a nossa própria origem. A geração actual não possui memória, ou corre esse risco, logo não consegue estender as raízes que não detém; pode, pois, estar condenada a não ter futuro.

  Cabe ao Jardim-de-infância e à Escola (do 1. º Ciclo do Ensino Básico, fundamentalmente), preencher este vazio, na tentativa de resolução dos inúmeros problemas de ordem existencial que assolam as crianças e as suas personalidades em construção, conferindo-lhes estabilidade emocional e equilíbrio afectivo, acautelando uma maturação o mais possível desprovida de traumas.

     Nos contos tradicionais a criança liga-se ao herói e vai percebendo que o bem deve vencer, deve sobrepor-se ao mal, àquilo que está errado. Para isso, o herói passa por imensas peripécias e dificuldades; tal como na vida, tudo deve ser ultrapassado sem dramas nem recuos, viajando pela mesma, numa caminhada entre o possível e o desejável.

     Nesta conformidade, aprendamos a conjugar o verbo contar, no tempo e no modo da exequibilidade, múltipla e variada, da ponte que pretendemos lançar entre o maravilhosos e o imaginário das crianças, alimentando em todas elas o natural, legítimo e imprescindível direito ao subtil, doce e mágico embalo do sonho, investindo no riquíssimo capital da sua imensa sede de atenção, amor, conhecimento e descoberta, visando uma sociedade mais justa, equilibrada e desenvolvida. Pois bem! Depois de percorridos estes passos e consubstanciada a consolidação dos seus efeitos práticos, ler tornar-se-á tão natural e profícuo como beber um copo de água.

NOTAS: o FANTÁSTICO ocorre quando o seu realismo suscita a dúvida que a lógica não consegue explicar; a narrativa de carácter sobrenatural cria o efeito fantástico sempre que hesitamos entre causas naturais e sobrenaturais;

já o MARAVILHOSO nunca converge no sentido do real nem do seu contrário, sendo mesmo encarado naturalmente, como acontece na cultura judaico-cristã.

Em 23 de Junho de 2012
Manuel Bragança dos Santos

2 comentários:

  1. Meu querido
    Vou começar por agradecer o teu comentário.
    A partir de um pensamento de Miguel de Unamuno,sobre a amizade,redigiste um texto que bem podia ser publicado num jornal.Retrataste parte da nossa atual sociedade. Esse padecimento dos afectos é muito influenciado pela TV,sem dúvida,mas também é oriundo da família de cada um, através da maneira como os pais foram educados e, também por influência do atual estado social em que vivemos.
    Às vezes,quando duas pessoas se conhecem, não se dão totalmente a CONHECER e,depois, com a convivência,que não é fácil,pois tem de haver cedências de parte a parte,se as crianças não foram educadas para lidar com a frustração,temos « o caldo entornado.»
    Eu sei muitíssimo bem que há pessoas a quem nem sequer se pode falar na palavra DIALOGAR. O egoísmo está de tal maneira exacerbado,que só funciona assim: EU QUERO,POSSO E MANDO.
    E há também um detalhe com muito peso: é a inteligência emocional de cada um. Uns têm,outros,não; uns têm mais,outros,menos
    Cada um devia viver sempre « como se tivesse de ser julgado depois de cada acto» - diz J.S.Nobre. Infelizmente,não é assim.
    tenho a impressão de que já tinha comentado este teu artigo,mas talvez esteja enganada.Antes deste,há outros,pois o blog começou no dia 17 de outubro de 2012.
    Antes de comentar «A SEDUTORA OUSADIA DA LEITURA» quero deixar-te aqui o acesso a um dos blogues da minha amiga Anne Lieri.Falei-te que seria interessante ires visitar o blog,mas não te disse como lá chegar. http://menina-voadora.blogspot.pt
    Quanto à publicação de hoje,devo dizer-te que a considero um artigo simplesmente fenomenal, formidável,para ninguém pôr defeitos; mas, tal como,a propósito da amizade eu disse,as crianças têm de ver o exemplo nos pais. Como diz J.S.Nobre, um autor que gosto muito de ler «O adulto é o modelo que a vida mostra aos que iniciam os seus passos na vida. O exemplo de quem já cresceu pode ser a escada de subida para quem começa a crescer.Como pode, também,ser a razão da sua queda.» Os pais(ou quem tem a responsabilidade de educar as crianças) devem viver dignamente,dar « bons exemplos,porque,sem se darem conta,uma criança está a tomar as suas vidas como modelo.» tanto se pode estar a edificar o BEM,como a construir o MAL..
    Perante um televisor, as pessoas estão passivas,ao lerem,para entenderem,precisam de fazer um certo esforço de concentração,caso contrário,o que deveria ser um prazer,transforma-se numa grande maçada.
    Eu tive a feliz oportunidade de viver uma situação muito interessante,numa escola do 1º ciclo,no Algarve,em Lagos, mais propriamente na Ameijeira. A professora,que era uma ótima profissional, convidava os pais,um casal de cada vez,para irem `escola,à sala de aula dos seus filhos,lerem um livro de que gostassem.
    A minha neta Leonor frequentava essa escola e, na ausência do pai,eu acompanhei a mãe. Escolhemos o « Polegarzinho.» . A mãe era a narradora e eu dramatizava todas as personagens:saltei,mudei de voz,fiz de homem mau, de mulher...de tudo.Os alunos adoraram e eu,modéstia à parte, ao ver a reação deles,fiquei felicíssima.Fomos alvo de muitos agradecimentos.
    A partir desse dia, quando eu saía à rua fora do horário escolar,era efusivamente cumprimentada pelos miúdos e pelos pais, a quem eles contaram quem eu era e o que tinha feito.
    Rendo aqui as minhas mais sinceras homenagens àquela professora e, quando houve o concurso de leitura,na Fortaleza de Sagres,foram estes meninos que mais sobressaíram. Tomaram-lhe o gosto.
    Continuação de uma boa semana.
    beijinhos da
    Mana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É, sem dúvida, gratificante vivenciar um tipo de experiência como aquela que acabas de relatar.
      Sou chamado algumas vezes, ainda agora, pelas colegas, para contar histórias aos meninos do Pré-escolar. São momentos mágicos!
      Beijinhos

      Eliminar