quarta-feira, 26 de agosto de 2015

O PONTO DA SITUAÇÃO

       
Imagem do Google



        Estamos praticamente no fim das presentes férias de Verão de 2015 e, se por um lado tivemos oportunidade de descansar um pouco do ano laboral – vamos chamar-lhe assim – que ora termina e que percorremos até à mais desfigurada exaustão, por outro lado, não deixámos de estar atentos à catadupa de acontecimentos, episódios, factos e contratempos de que tem sido pródigo o mundinho em que todos vivemos, nomeada e precisamente, quando tudo aquilo que se tem passado, não tem sido mais do que a exaustiva repetição dos já habituais destemperos da humanidade, sem que vislumbremos uma centelha apenas, por mais minúscula que seja, ou fosse, de arrependimento, de recuo, de aprendizagem da lição pelas ilações inerentes, de busca de novos rumos para a paz, para a felicidade, para a harmonização dos interesses globais, numa linha de sistémico respeito pela liberdade do outro, porque está a levar em conta a minha própria liberdade.

     Enfim, é por demais evidente que estamos a falar principalmente das malditas guerras que uns fazem mais do que outros e que outros acabam por pagar muito mais do que os primeiros, não só em vidas – esse precioso e irrepetível bem na pessoa de cada um, mas também materialmente, para já não falar dos custos psicológicos, que são sempre indefiníveis.
           
         O mundo gira de forma extremamente estranha, nunca suspeitando o vulgar e inocente cidadão, das voltas tortuosas que lhe imprimem, nem como amanhecerá o novo dia. Também a este respeito, cada cabeça, cada sentença, tudo dependendo das ideologias e cultos que se bebem a partir da infância, da adolescência, da educação, dos princípios e dos valores que vão acompanhando o nosso desenvolvimento pessoal e social, e da forma como vamos sendo capazes de interpretar aquilo que sempre chega filtrado, pelas agências de informação, através dos vários “mass-media”, a nossas casas, reproduzido pelo aparelho de televisão ou pela rádio ou mesmo pela omnipresente  “internet”.

     Quando atrás dissemos que fomos acompanhando o desenrolar de tudo aquilo que foi ocorrendo no mundo (em Portugal também, por maioria de razão), fizemo-lo, no entanto, sem termos tomado uma nota que fosse – estamos em férias, caramba –, pelo que, certos episódios, não obstante a sua relativa importância, não permanecem já na nossa memória, em toda a sua complexidade e diversidade de vertentes, para que os comentemos com o à-vontade com que sempre os tratámos nestes nossos escritos de opinião. Sendo assim, não abordaremos as trapalhadas, da responsabilidade do poder, ocorridas aqui e ali... Tentem recordar-se... os lesados dos “BES”; o “IVA” da restauração; a anunciada redução dos cortes dos legítimos rendimentos disponíveis dos cidadãos – abstrusamente apelidada de “devolução”; a fúria demencial dos incendiários, cada vez mais activos; a estafada letargia do IC 35, etc..

     Mas vamos a incongruências mais ligeiras, para não maçar ninguém: aqui, não podemos deixar de referir a imagem de certos palradores mediáticos, a registar gafes de Língua Portuguesa, como, de resto, o fazem com a maior das descontracções jornalistas, políticos, comentadores (muitos deles professores universitários). Esta, então, é uma das mais recorrentes: “(...) portanto, faz-nos um ponto de situação”, dizem. É que, em qualquer enquadramento específico, o que se define é o ponto concreto da situação em análise, naquele momento; logo, não se pode nem deve utilizar o artigo indefinido “um”, que nada define, portanto; assim como a utilização da preposição simples “de” nada diz do que se pretende, pelo que se deve utilizar “de” mais “a”, ou seja, “da” – contracção da preposição simples “de”, a que se junta o artigo definido “a”, porque de uma definição precisa se trata, sempre que se faz o ponto de uma qualquer situação.


         Ah, para terminar... não coloquem molhos de lenha na comida – é indigesto. Quanto a sequestros, podem submeter a letra “u” a isso mesmo; na nossa terra é muda. Já o nosso douto Bagão Félix é mesmo Félix e não “Féliks”. É curioso, sem deixar de ser estranho, que este vírus “Féliks” tenha surgido há não menos de dois anos no linguajar mediático! Que se passa, afinal?! As várias sonoridades do “X” devem ser apre(e)ndidas e consolidadas no 1.º Ciclo do Ensino Básico.

1 comentário:

  1. Concordo consigo, meu amigo. É tudo a "exaustiva repetição dos já habituais destemperos da humanidade". Isto não vai mudar nem no mundo nem por cá seja qual for o ponto de situação que fizermos... Gostei de o ler.
    Um beijo.

    ResponderEliminar