sábado, 26 de abril de 2014

"A PAIXÃO E RESSURREIÇÃO DO SOLDADO" - NOTA INFORMATIVA



O romance Psico-Social “A PAIXÃO E RESSURREIÇÃO DO SOLDADO” é profundamente ficcionado, a partir das experiências que partilhei com outros camaradas de armas, em Angola, e dos contextos vivenciais que observei e integrei por lá, e depois por cá. 

Optei, então, por uma espécie de postura omnisciente, enquanto autor, sem deixar de ser narrador ausente como personagem da acção, muito embora Francisco permaneça numa linha de construção analítica, do ponto de vista interior e, de uma perspectiva meramente exterior, vai conseguindo assumir-se como um muito atento observador, na óptica da sua exegese. Desta maneira, esta estória apresenta, ao longo dos seus meandros discursivos, quer antecipações (analepses) de carácter Histórico, absolutamente fundamentadas na bibliografia consultada, quer, por contraponto a estas, prolepses que se estruturam em várias relações temporais dinâmicas, de cariz possível, ao longo de toda a diegese. 

Analepses e prolepses são, como se verifica, contrabalançadas pela anacronia que se lhes interpõe... Acaba por redundar tudo numa obra que esboça todo um conjunto de soluções eventuais para os conflitos interiores do autor, perspectivadas no âmbito do raciocínio motivado, como, de resto, o são todas, quer se queira quer não.

Refira-se, ainda, no que a este romance diz respeito, que o procurei dotar de uma subtil estética de cariz erótico, perseguindo a necessidade de retratar os receios e sobressaltos tão comuns à época, para poder levar o leitor a reflectir sobre as contradições ideológicas, inerentes às motivações de (des)orientação educacional, que marcaram o período do Estado Novo, mas que continuam, ainda hoje, a pairar, literalmente, sobre as nossas cabeças.

A PAIXÃO E RESSURREIÇÃO DO SOLDADO” agarra também a mensagem de Vergílio Ferreira, patente na sua “Manhã Submersa”; o ensaio de Freud sobre o “Perturbante”: as teses de Simone de Beauvoir e Jean-Paul Sartre, sobre o existencialismo e o papel da mulher na sociedade; a fidedigna História dos povos de Angola; a problemática da consciência humana, segundo o sempre actual Henri Baruk; e, embora nem só de pão viva o homem, assinale-se, em todo o discurso da narrativa, o curioso perpassar do fenómeno gastronómico da francesinha...

BOA LEITURA!

7 comentários:

  1. Uma temática que ficou bem gravada na também na memória de outros camaradas sendo assim um livro-testemunho transversal que vai proporcionar horas de boa leitura e recordações.
    O maior sucesso, querido amigo
    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Beijinhos, meu "Anjo Azul". Obrigado pelos votos de sucesso.

      Eliminar
  2. Obrigada pelas suas informações. Muito sucesso para o livro.
    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agradeço os votos de sucesso, Graça Pires.
      Abraço.

      Eliminar
  3. Bom dia, Manel
    Por toda a informação prestada imagino que este livro constitua um enorme prazer de leitura.
    Gostaria imenso de assistir à apresentação (só Deus sabe quanto, por todos os motivos e mais um...). Infelizmente não poderei estar lá; não tenho a mínima hipótese de me deslocar até ao Norte nesta altura.
    Mas desejo o maior sucesso!

    Votos de óptimo fim de semana.
    Beijinhos

    PS - Muito obrigada pelas lindas palavras postadas na minha «CASA».
    Bem haja!

    ResponderEliminar
  4. POR FAVOR!!! retire essas palavras que me obrigam a "decifrar" para provar que não sou um robot... Tive que o fazer três vezes, para conseguir publicar o meu comentário...

    ResponderEliminar
  5. Querido Zé

    É a segunda vez que comento!!! Desapareceu tudo!!!

    Os receios e sobressaltos da época de 70 estão agora - século XXI - presentes e muito ampliados.
    Era preciso que houvesse uma espécie de «renascimento». O soldado conseguiu uma «ressurreição»!
    Será que todos os que estamos a soldo - os trabalhadores activos, quero dizer-
    os que ainda não estão e os que já muito deram de si vão assistir a um «milagre» desses?!
    Cheguei aqui atrasada para comentar! Entretanto, já li o livro, que recomendo vivamente.
    No fundo, é a vitória de um, igual a tantos outros, que muito sofreu, física e psicologicamente.
    E quem não aprecia uma história de sucesso?!
    Auguro óptimas vendas,pois a obra é valiosa.
    Beijinhos da
    Mana, que espera uma visita

    ResponderEliminar