segunda-feira, 5 de outubro de 2015

A PECHA DAS MULTITURMAS

       
Imagem do Google



       Lutámos, desde sempre, pela excelência da Educação; pela assunção prioritária de um Sistema Educativo de eleição, capaz de preparar para a vida cidadãos conscientes, informados, livres e autónomos. Pugnámos, desde a primeira hora, por uma escola essencial onde os interesses da criança fossem colocados acima de tudo o resto.

       Pois, foi nesta conformidade que, no limiar do 2.º milénio, fomos assaltados pelo pavor que a descontracção do Ministério da Educação nos provocou ao impor e validar a constituição de multiturmas, a que errada e despudoradamente deu o nome de turmas mistas (?!!!). Turmas mistas, como facilmente se percebe, são turmas que integram crianças de ambos os sexos. Multiturmas, como o próprio conceito torna claro, são várias turma numa só, isto é, uma turma, ao cuidado de um só professor, onde coabitam simultaneamente vários alunos, repetentes ou não, matriculados, respectivamente, em dois, três, ou mesmo nos 1.º, 2.º, 3.º e 4.º anos de escolaridade. Isto é de cortar à faca, e significa o total desprezo a que tem estado votado o 1.º Ciclo do ensino obrigatório, dito gratuito.

      Antes de mais, convém esclarecer algumas das vertentes essenciais da problemática educacional, chamando fudamentalmente a atenção para o facto de que se deve partir do âmago real de toda esta questão, se na verdade se quiser analisar conscientemente a situação da educação em Portugal; compreender com lucidez as disfuncionalidades do sistema; solucionar com inteligência e desembaraço apenas o que está errado, sem beliscar sequer aquilo que é positivo.

           É que o desconchavo das multiturmas constitui uma das chagas mais perniciosas e pestilentas a que os sucessivos governos têm recorrido, como se a Educação Básica mais não fosse do que um simples e vulgar jogo sem importância, no escalonamento jurídico do conjunto de leis perniciosas que têm sido despejadas sobre a comunidade educativa, numa mal disfarçada atitude de comodismo ou de incompetência, ignorância e descontrolo.

        Pelo menos, e ao contrário do que se passava antes, os pais das crianças lesadas parecem estar agora realmente preocupados com o problema. Lutemos, então, contra tamanha irracionalidade, contra a disruptiva hecatombe das multiturmas.

1 comentário:

  1. Li o seu texto com toda a atenção, amigo. E não posso estar mais de acordo. Além de tornar o sistema desfuncional, as multiturmas são uma falta de respeito para com os professores e para com os alunos. Mas quando se governa com a folha de Excel ao lado para saber quanto se poupa é assim...
    Um beijo.

    ResponderEliminar