segunda-feira, 10 de novembro de 2014

RETRATO



Imagem do Google


Revelei o teu retrato
ninguém mais pode fazê-lo

No fundo o mar o vento
nos teus cabelos o tempo
no teu olhar as marés
o teu corpo nos rochedos
barco à vela no meu peito

Revelei o teu retrato
ninguém mais pode fazê-lo

Os teus seios à deriva
são ilhas de branca espuma
são dunas de seiva pura

na enseada do teu ventre
nas amarras dos teus membros
para sempre fico ancorado
tão bela de seres quem és

Tu inundas toda a praia
sabes que estou a teus pés

8 comentários:

  1. Grato, Maria Miranda.
    O amor é a verdade; a aventura perde-se na alienação do tempo.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  2. Sabes MANEL , nem perco tempo a tentar falar do AMOR cantas de uma forma ímpar Ganho o e levo o nas palavras que tão bem sabes usar numa poética fantástica
    Abraço meu grande amigo!

    ResponderEliminar
  3. Que belo retrato revelado. O coração côncavo a todos os fascínios...
    Um beijo, amigo.

    ResponderEliminar
  4. Ancorado nas belas lembranças, na entrega do encanto da amada e sensualidade vem orna este êxtase.
    A Beatriz bem que me indicou sobre a arte bela e rara de sua lavra.
    Fico aqui a passear e a inspirar, é muito boa sua pagina e partilha de suas pérolas,
    Um abração Humberto e até a próxima viagem.

    ResponderEliminar
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  6. Querido Zé
    Enganei-me e retirei o que havia escrito.
    Agora, sim: quão afortunada é a musa que te inspira e se vê assim retratada com tão belas metáforas!
    Deve sentir-se muito orgulhosa por ser vista com tanto enlevo e amor!
    Uma bela forma de poetar tens tu sempre!
    Um beijinho
    Mana

    ResponderEliminar